Webmail

Notícias

Notícias

Notícias

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho

Fale Conosco

Inscrições

Trabalhe Conosco

Trabalhe Conosco

Área Restrita

Área Restrita

Newsletter

Receba novidades, preenchendo seus dados nos campos abaixo:

Previsão do Tempo

Caminhoneiros se alimentam mal

SETCAMAR A FORÇA DO TRANSPORTADOR

Superintendente Geasi Oliveira de Souza
Por: Giseli S. Casotti

Maringá 20 de maio de 2013

Um levantamento prévio do Rota Cidadã realizado em Lucas do Rio Verde mostra que os caminhoneiros se alimentam mal. O programa, que avalia as condições físicas e de saúde dos profissionais da estrada, foi realizado no pedágio da rodovia MT 449 na tarde desta quarta-feira. 185 caminhoneiros foram abordados pela equipe do programa e aceitaram passar pelas avaliações. Desse grupo, mais de 100 apresentou alterações no nível de triglicérides no organismo.

 

O chefe do núcleo de acidentes e medicina rodoviária da Polícia Rodoviária Federal, Alessandro Dorileo, disse que esse dado é preocupante. O descontrole desse índice pode ocasionar nos motoristas desenvolver outros fatores de risco para doenças associadas ao aumento dos triglicérides, como obesidade, colesterol alto e pressão alta (hipertensão arterial). Ele adverte que essa gordura acumulada no sangue, resultado de uma alimentação baseada no consumo excessivo de massa, pode provocar infarto ou acidente vascular cerebral.

 

Alessandro ressalta que o Rota Cidadã é importante, pois nem todos os motoristas possuem planos de saúde e fazem avaliações periódicas das suas condições de saúde. Esse grupo passa a desenvolver doenças que não apresentam sintomas, como diabetes e problemas cardíacos. “E eles vão levando até que possa acontecer um mal maior, que é o mal súbito na rodovia, que causa acidentes, causa mortes, e é isso que queremos evitar”, explicou.

 

Os dados apurados pelas equipes que participaram do Rota Cidadã foram encaminhados para o Núcleo de Acidentes e Medicina Rodoviária no Estado. Essas informações permitirão que programas específicos sejam criados para combater os problemas detectados.

 

O motorista Genésio Darci Guintzel aprovou as orientações que recebeu das equipes de atendimento. Ele ficou preocupado com alguns dados apurados durante o Rota Cidadã. “Ta tudo alterado, pressão, diabetes e porquê? Um dia você come num restaurante, um tipo de tempero, no outro dia come duas horas da tarde e outra hora fica até sem café. Tudo descontrolado o alimento, aí acontece isso”, avaliou. Ele defendeu que outras edições do programa sejam realizadas, mas que os próprios profissionais passem a fazer esse tipo de avaliação por conta.

 

O diretor da Ciretran de Lucas, Wellber Diniz, disse que a avaliação foi positiva, já que há interesse por parte dos órgãos envolvidos (Ciretran, Guarda Municipal e Policias Militar e Rodoviária) em saber como está a saúde do motorista. “É interessante essa ação e vê como positiva a participação dos motoristas”, explicou, lembrando que alguns profissionais utilizam medicamentos contraindicados para a profissão e influenciam no desempenho na estrada. “É importante que eles se preocupem com a própria saúde”, apontou Diniz, lembrando que no trânsito o condutor não é responsável apenas pela própria segurança, mas principalmente com as dos demais motoristas.

 

 

Acidentes

 

Durante a realização do Rota Cidadã, a administração do pedágio da MT 449 apresentou dados preocupantes em relação ao índice crescente de acidentes na rodovia. Só em abril desse ano foram 17 acidentes que resultaram em 14 pessoas feridas e duas mortas. Em 2012, foram dez acidentes. Marcelo Marcon, gerente administrativo do pedágio, explica que a maior causa dos registros pode estar associada à imprudência dos motoristas já que a rodovia é bem sinalizada e recebe manutenção frequente para evitar que a pista ofereça riscos aos condutores. “Muita saída de pista onde provavelmente o motorista dormiu ao volante ou excesso de velocidade, alguns tentam ultrapassagens perigosas que causam os acidentes”, explica.

 

Marcon disse ainda que pelos levantamentos realizados, a maioria dos acidentes ocorreu em horário de maior movimentação na rodovia, no início da manhã ou no fim de tarde. “Tem maior fluxo nesses horários, o pessoal retorna de suas fazendas para a cidade e o fluxo fica mais intenso”, observou.

Fonte: ABTC                                                                                     http://www.abtc.org.br/Paginas/noticia.aspx?n=1537

Associados